Ciência cidadã

Autor: Marinês Eiterer - Data: 14/01/2019

Ciência cidadã
Por Marinês Eiterer (*)


Todo e qualquer cidadão pode se envolver ativamente com a prática científica. Como? Bem, talvez você ainda não saiba, mas a chamada ciência cidadã conta com a participação de pessoas comuns na coleta de dados. E isso tem dado sustentação várias pesquisas importantes, em todo o mundo.



A expressão ciência cidadã pode ser nova, mas a participação de pessoas comuns em atividades científicas já vem ocorrendo há muito tempo. Um exemplo. Certa vez, o ornitólogo estadunidense Wells Woodbridge Cooke (1858 -1916) iniciou um ambicioso programa de monitoramento de aves. O seu objetivo era identificar as rotas migratórias de determinadas espécies que são encontradas nos Estados Unidos.

Pois bem, graças à colaboração de observadores de aves espalhados por todo o país, ele conseguiu reunir um milhão de dados, algo que jamais conseguiria sozinho ou contando apenas com uma pequena equipe de pesquisadores. Os dados, anotados em fichas padronizadas, ainda hoje estão sendo digitalizados!



Com a popularização da Internet, no início da década de 1990, as redes de ciência cidadã cresceram. Uma expansão que foi ainda maior depois da chegada do smartphone. Atualmente, qualquer naturalista amador pode tirar a fotografia de uma planta com um celular; em seguida, usando um aplicativo apropriado, ele pode obter as coordenadas geográficas do local onde a planta está crescendo.

Eventos localizados, envolvendo grupos de observadores com interesses comuns, têm sido promovidos com o objetivo de conduzir inventários da flora ou fauna de determinados locais.
São as chamadas bioblitz, por meio das quais se procura identificar o maior número possível de espécies, em um curto intervalo de tempo. Nos Estados Unidos, por exemplo, uma bioblitz de 24 horas conseguiu acrescentar 400 espécies à lista de espécies de um parque nacional, uma das quais era nova para a ciência.

É comum a participação de estudantes em levantamentos de flora e fauna. Eles fazem levantamentos dentro da escola, no seu entorno ou vão a sítios especiais. Uma boa opção no retorno às aulas é iniciar um projeto na sua escola e conhecer a biodiversidade local, junto com seus alunos.



Há muitas redes que promovem a ciência cidadã. O eBirder é uma rede de contagem de populações de aves. O Inaturalist é uma rede mundial de observadores da natureza.

O WikiAves é uma rede brasileira de observadores de aves, já tendo reunido um impressionante acervo de imagens e sons.

Há ainda redes de astrônomos amadores, de registros históricos, de observadores de bacias hidrográficas, de monitoramento da qualidade da água, e assim por diante. A diversidade é grande. Pesquise um pouco e você seguramente encontrará alguma do seu interesse.

(*) Bióloga; embora com formação especializada em botânica, tornou-se também uma observadora de aves, atualmente colabora com iNaturalist e consultora botânica da AUE Soluções.

Veja também:

  • A surpreendente história do Seminário da Floresta
  • Conheça as dicas e artigos da Bióloga Marinês Eiterer
  • Quem são os profissionais dedicados que fazem a revisão do banco de dados de plantas da AuE Soluções
  • AuE Soluções discute a procedência geográfica das plantas ornamentais usadas no Brasil no 61º CNBot

  • Compartilhar:


    Anterior Próximo

    Anuncie gratuitamente no PaisagismoDigital !

    Comentar
    Nome:
    E-mail:
    Comentário:
    Avalie está matéria:



    ---
    Ensino de paisagismo
    Um presente especial para nossos leitores! Aguardem na próxima Revista!
    Um presente especial para nossos leitores! Aguardem na próxima Revista!

    Nas próximas edições, publicaremos, em capítulos, a História do início do Paisagismo no Brasil, como vivenciada por ele! Imperdível!

    Representação Gráfica em paisagismo
    Representação Gráfica em paisagismo

    É comum o erro de misturar desenho e projeto como um conceito único. Projetar, pensar o espaço, é garantir a qualidade da obra

    Dicas Técnicas
    AutoLANDSCAPE 2018: Localizar plantas no projeto
    AutoLANDSCAPE 2018: Localizar plantas no projeto

    Eventualmente você pode perder algumas plantas no projeto, ou seja, não saber onde determinada planta está. Veja como achar plantas no seu projeto.

    HydroLANDSCAPE: Mover projeto para origem
    HydroLANDSCAPE: Mover projeto para origem

    Veja como mover o projeto de irrigação para a origem no HydroLANDSCAPE 2018.

    PhotoLANDSCAPE 2018: Como recortar mapa.
    PhotoLANDSCAPE 2018: Como recortar mapa.

    Veja como recortar mapa sem sair do PhotoLANDSCAPE.

    VisualPLAN2018: Visualizando nível em plano 3D
    VisualPLAN2018: Visualizando nível em plano 3D

    Veja como criar curvas de nível e visualizar em plano 3D no VisualPLAN2018

    Ecologia
    Ciência cidadã
    Ciência cidadã

    A Ciência Cidadã conta com a participação de pessoas comuns na coleta de dados. Tem dado sustentação a várias pesquisas importantes, em todo o mundo.

    Notícias
    Retrospectiva de 2018
    Retrospectiva de 2018

    Veja um resumo das matérias da Revista Auepaisagismo, publicadas em 2018

    Arquivo
    Edição Anterior

    Revista AuE Paisagismo Ano 15 No 175 / Dezembro de 2018

    Conteúdo completo

    Lista com todas as Edições da Revista Paisagismo Digit@l

    Top 10

    Matérias mais comentadas da revista

    Projetos
    Projeto em um sítio

    ALESSANDRA VILLELA PAISAGISMO LTDA - ME

    Lista de Projetos

    Lista com Todos os Projetos da Revista Paisagismo Digit@l

    Top 10 de Projetos

    Lista com 10 projetos mais comentados

    Agenda
    Agenda

    Agenda de Eventos de Paisagismo

    Conversar no Whatsapp +55 (27) 99298-2445

    X

    Revista gratuita AuE Paisagismo


    Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




    Revista no seu E-mail

    *
    *
    *