Florestas em terras indígenas podem render trilhões de reais

Autor: Regina Motta - Data: 18/10/2016


Para transformar em cifras alguns serviços prestados pela floresta, pesquisadores do World Resource Institute (WRI) fizeram cálculos complexos. Em estudo, eles analisaram terras indígenas na bacia amazônica - no Brasil, na Bolívia e na Colômbia -territórios onde, comprovadamente, a mata é mais conservada.

Os números impressionaram os próprios pesquisadores. Só no Brasil, as florestas em terras indígenas podem "render" em serviços prestados até 1 trilhão de dólares nos próximos 20 anos (cerca de 3,2 trilhões de reais), o que equivale a quase metade do Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2015. Para a Bolívia, o valor é de até 119 bilhões de dólares, e para a Colômbia, de 277 bilhões de dólares.



Produção de água, regulação do clima, polinização e até turismo: serviços prestados de graça pela cobertura vegetal em territórios indígenas têm grande potencial econômico, aponta estudo.

Esse dinheiro, que não entra nas contas públicas, aparece de outras formas: na produção e conservação da água, retenção de nutrientes no solo, regulação da temperatura e chuvas, polinização, recreação e turismo.

São os chamados serviços ecossistêmicos, ou seja, benefícios que as pessoas obtêm da natureza direta ou indiretamente e que sustentam a vida no planeta.


Se a floresta cobrasse pela água que ajuda a produzir e serve ao consumo humano, por exemplo, o valor médio seria de 287 dólares (cerca de 920 reais) por hectare por ano. Em várias parte do mundo, esse pagamento acontece, mas quem recebe são os proprietários da terra que mantêm a mata.

Trata-se de um sistema conhecido como Pagamento por Serviço Ambiental, que compensa financeiramente quem preserva.

No entanto,um grande empreendimento que, para sair do papel, precisa derrubar áreas florestais ou remover populações indígenas costuma ser visto como mais rentável para a economia do país que a cobertura vegetal.

Dados da Fundação Nacional do Índio (Funai) apontam a existência de pelo menos 553 áreas habitadas por indígenas no Brasil, as quais equivalem em extensão a 13% do território nacional. Hoje, apenas 13 foram homologadas.

Segundo o estudo do WRI, proteger as terras indígenas é um investimento de baixo custo com altos benefícios. Somente em relação às emissões de CO2, gás que contribui para o aquecimento global, preservar a floresta nessas áreas evita que 32 megatoneladas de CO2 sejam despejados na atmosfera por ano - o equivalente ao produzido por 6 milhões de carros.

MUNDURUKUS ÀS MARGENS DO TAPAJÓS

Os índios da etnia munduruku habitam principalmente as regiões de florestas, às margens de rios. Estão distribuídos especialmente no vale do rio Tapajós, no Pará, e nos estados do Amazonas e Mato Grosso. Atualmente, estima-se que a população de índios munduruku seja de 12 a 15 mil.



As ameaças
Os moradores da Terra Indígena Sawré Muybu aguardam a homologação do território que habitam há pelo menos três séculos. A área, de 178 mil hectares, sofre ameaça principalmente de madeireiros, garimpeiros e, agora, pode ser impactada pela construção de hidrelétricas. Como estratégia, os indígenas iniciaram a autodemarcação do território com instalação de placas que imitam as oficiais.

A essência da vida



Para os mundurukus, o rio Tapajós é a essência da vida indígena. Eles dependem de suas águas principalmente para se alimentar e se locomover. Estudos apontam a existência de mais de 110 espécies de peixes, além do peixe-boi e ariranha. Animais como anta e tamanduá-bandeira também vivem às margens do rio.

A "essência da vida" dos mundukurus está sendo destruída com a construção de hidroelétricas, enquanto o benefício ambiental e econômico da preservação do rio, seria muito maior, como prova este estudo.


Hidrelétrica Teles Pires
Pronta desde 2015, a usina tem potência instalada de 1820 MW, mas ainda está praticamente sem produzir eletricidade devido à falta de linhas de transmissão



Hidrelétrica São Manoel
Imagem aérea mostra obras de construção da hidrelétrica São Manoel, com início de operação prevista para janeiro de 2018. Com participação da indústria chinesa, empreendimento está orçado em R$ 2,2 bilhões. A usina também está localizada no rio Teles Pires, afluente do Tapajó



Hidrelétrica São Luiz
Se construída, a hidrelétrica São Luiz do Tapajós ficará nesse trecho do rio, que tem águas verde-azuladas, corredeiras, praias, cachoeiras e igarapés. Os reservatórios poderão inundar até 7% da Terra Indígena Sawré Muybu.


Fonte: http://www.dw.com/pt-br/florestas-em-terras-ind%C3%ADgenas-podem-render-trilh%C3%B5es-de-reais/a-35985878

Leia também:

Enciclopédia Farmacêutica dos Índios Matsés da Amazônia

Líder indígena brasileiro é premiado pela ONU como Herói da Floresta

Mais uma boa notícia: Xavantes recuperam suas terras

Apresentação de Projetos: Prancheta x Computador


Compartilhar:


Anterior Próximo

Anuncie gratuitamente no PaisagismoDigital !

Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



---
Entrevista
Conversamos com o Paisagista Márcio Modelski da Cantinho Verde Paisagismo
Conversamos com o Paisagista Márcio Modelski da Cantinho Verde Paisagismo

A Cantinho Verde Paisagismo & Ecologia é uma empresa muito jovem que começou com a garantia de sucesso: usando o nossos softwares

Lançamentos
Aue Software lança eBook gratuito com dicas sobre mercado de paisagismo
Aue Software lança eBook gratuito com dicas sobre mercado de paisagismo

O guia traz diversas dicas para profissionais que desejam se destacar no mercado de paisagismo

Ensino de paisagismo
Aprenda sobre Paisagismo Regenerativo
Aprenda sobre Paisagismo Regenerativo

Paisagismo Regenerativo é o paisagismo com um novo olhar. O olhar educado e sentido para enxergar a natureza como uma parceira.

AuE Network
Novas plantas no Paisagismo Digital e AuE Network

Veja a relação de plantas publicadas no Paisagismo Digital e no AuE Network em outubro de 2016

Dicas Técnicas
AutoLANDSCAPE 2016: Como a inserção de itens pode otimizar seu projeto
AutoLANDSCAPE 2016: Como a inserção de itens pode otimizar seu projeto

Veja como a forma correta de inserir os itens pode otimizar seu projeto de paisagismo com o AutoLANDSCAPE

PhotoLANDSCAPE 2016: Aplicando o efeito noturno em sua fotomontagem
PhotoLANDSCAPE 2016: Aplicando o efeito noturno em sua fotomontagem

Veja como deixar sua fotomontagem de paisagismo cada vez mais realista, utilizando os efeitos disponíveis no PhotoLANDSCAPE 2016.

HydroLANDSCAPE 2016 - Dimensionando setores separadamente
HydroLANDSCAPE 2016 - Dimensionando setores separadamente

Como calcular setores de irrigação separadamente utilizando o HydroLANDSCAPE 2016

Ecologia
Fábricas automatizadas de plantas com luz artificial na Europa
Fábricas automatizadas de plantas com luz artificial na Europa

Tecnologia desenvolvida na Bélgica, consegue produzir hortaliças em alta escala, sem terra, em água e luz de led

Florestas em terras indígenas podem render trilhões de reais
Florestas em terras indígenas podem render trilhões de reais

Só no Brasil, as florestas em terras indígenas podem "render" em serviços prestados até 1 trilhão de dólares nos próximos 20 anos

Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 13 No 148 / Setembro de 2016

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Lista de Projetos

Lista com Todos os Projetos da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10 de Projetos

Lista com 10 projetos mais comentados

Agenda
Conversar no Whatsapp +55 (32) 9 9138-8279

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*