Sacolas plásticas: produto reutilizável ou vilãs do meio ambiente?

Autor: Anita Cid - Data: 04/08/2009

Continuando nossa série sobre hábitos ecologicamente corretos iremos abordar este mês o dilema de proibir ou não o uso de sacolas plásticas em supermercados.

Eco Bag

As sacolas plásticas são consideradas pelos ambientalistas as novas vilãs do meio ambiente. Isto porque o plástico é de natureza não biodegradável, o que faz com que uma destas sacolas demore mais de 300 anos para se decompor. Além disso, a manufatura do polietileno, material com o qual se faz os sacos plásticos, faz-se a partir de combustíveis fósseis, o que acarreta emissão de gases poluentes.

Além disso, as sacolas plásticas são leves e voam facilmente com o vento. Por isso, elas entopem esgotos e bueiros causando enchentes. Também poluem rios e mares, a prova disto é que são encontradas até no estomago de tartarugas marinhas, baleias, focas e golfinhos mortos por sufocamento.

Em todo o mundo são produzidos um trilhão de unidades a cada ano. No Brasil, 1 bilhão de sacolas são distribuídas nos supermercados mensalmente - o que equivale a 66 sacolas por brasileiro ao mês, sendo que 80% delas são utilizadas somente uma vez. Para reduzir este número, muitos consumidores, incentivados pela opinião pública, por ONGs e até mesmo pelos próprios supermercados estão trocando as sacolas plásticas por outras de pano, as chamadas Eco Bags. Na Europa e nos Estados Unidos, as sacolas de pano viraram febre, principalmente o modelo que diz: "I am not a plastic bag" (Eu não sou uma sacola de plástico).

Em alguns lugares do mundo como em São Francisco, nos Estados Unidos, as sacolas de plástico foram banidas. Somente as feitas de produtos derivados do milho ou de papel reciclado podem ser usadas. Em outros lugares como a Irlanda, Portugal e Alemanha, são cobradas a parte nos supermercados, o que evita o uso descomedido. O dinheiro arrecadado é investido em projetos ambientais.

No Brasil, a principal alternativa são as sacolas de plástico oxibiodegradáveis. Elas vêm com um aditivo químico que acelera a decomposição em contato com a terra, a luz ou a água. O prazo de degradação é até 100 vezes menor - ou seja, uma sacola leva apenas três anos para desaparecer. O governo do Paraná está distribuindo-as gratuitamente.

No entanto, o uso de sacolas plásticas já faz parte da vida contemporânea. São reutilizáveis, práticas, higiênicas e têm múltiplos usos. Grande parte do lixo nos grandes centros é descartado em sacos plásticos. Acabar com as sacolas plásticas simplesmente pode não ser a solução, já que os consumidores demandarão outras embalagens plásticas para fazer tal descarte.

De acordo com o Sindicato da Indústria de Material Plástico do Rio de Janeiro (Simperj), o problema das sacolas de plástico está no descarte do material e não no produto em si. O plástico é 100% reciclável desde que sua coleta seja adequada.

Sabendo disso, pense duas vezes antes de pegar várias sacolas no supermercado, reutilize-as e as descarte corretamente. Quando possível as substituas por carrinhos de feiras, bolsas de pano ou de borracha, ou até mesmo por caixas de papelão. Não custa nada ajudar o meio ambiente. Faça também a sua parte!


Compartilhar:


Anterior Próximo

Anuncie gratuitamente no PaisagismoDigital !

Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



1 - Autor: lucas - Data: 17/02/2012 20:49:15



2 - Autor: marlucia alves - Data: 01/09/2011 13:04:05

a materia ficou facil para entender e de conteudo bastante interessante



3 - Autor: joana - Data: 26/05/2010 15:26:35

ruim



4 - Autor: joana - Data: 26/05/2010 15:25:42

nao achei seu trabalho muito bom, nao !!
gostaria que desse exemplos.



5 - Autor: Ricardo Kill - Data: 26/09/2009

O único problema é que as sacolas produzidas no Brasil de OXIBIODEGRADÁVEIS é elas com o tempo, apenas são micro fragmentadas, não acelerando a sua decomposição.



6 - Autor: Fernanda Rita - Data: 31/08/2009

Bom artigo!




Conversar no Whatsapp

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*