A paisagista Simone Lacerda fala sobre como fazer projetos em áreas litorâneas

Autor: Anita Cid - Data: 06/01/2010

Simone Coutinho Lacerda é Engenheira Florestal, graduada pela Universidade Federal de Viçosa-MG em 1996. Começou a trabalhar com Paisagismo em 1995 após alguns estágios. Assim que formou iniciou seu trabalho em industriais de celulose, tendo como desafio, desenvolver o planejamento das áreas a receber tratamento paisagístico e integrá-las ao ambiente industrial, suas edificações, processos, futuras expansões, gerenciamento dos custos e sua manutenção.

AuE Soluções: Como foi a escolha pela profissão de paisagista?

Simone: O interesse surgiu da influência na Universidade dos Professores James J. Griffith e Wantuelfer Gonçalves, de transformar paisagens degradadas ou de pouco valor estético e ambiental, em paisagens que traduzam conceitos culturais (dos usuários, do paisagista, do cliente), história do lugar, as plantas e sua relação com o entorno. Trazendo para estes espaços as funções ambientais dos espaços verdes tão escassos em áreas industriais.

AuE Soluções: Qual é a receita para um bom projeto de paisagismo, que atenda todas as expectativas do cliente?

Simone: O diálogo entre a linguagem arquitetônico proposta, o conhecimento da vegetação, do clima, do solo com o desejo do cliente.

AuE Soluções: Você segue algum conceito na construção de seus jardins?

Simone: Sim, a conciliação das necessidades humanas com a natureza. Utilizo o conceito de sustentabilidade em meus projetos, pensando-os e planejando os espaços para seu uso no futuro.

AuE Soluções: Como você faz a seleção das espécies botânicas?

Simone: De acordo com o estilo adotado e com a região (clima, solo, luminosidade).

AuE Soluções: Como você integra arquitetura e a construção do ambiente com projeto paisagístico?

Simone: Trazendo as referências do partido adotado na construção para os espaços livres destinados ao paisagismo. Em se tratando de paisagens degradadas, industriais ou espaços públicos como praças, geralmente grandes áreas, as árvores conferem características dominantes no que se refere à vegetação. Por isto é importante conhecer as características dos espaços e da vegetação que utilizaremos nele.

Os projetos devem priorizar a vegetação nativa do local, ecossistema de restinga e algumas espécies adaptadas a este clima, além de um indispensável projeto de irrigação e utilização de condicionadores de solo


AuE Soluções: Quais são os fatores que devem ser considerados quando se faz projetos paisagísticos em cidades litorâneas?

Simone: O clima, a vegetação e a arquitetura. Há muita salinidade, ventos e solo arenoso. Os projetos devem priorizar a vegetação nativa do local, ecossistema de restinga e algumas espécies adaptadas a este clima, além de um indispensável projeto de irrigação e utilização de condicionadores de solo.

AuE Soluções: Como o clima tropical de altitude da região que você atua influencia em seus projetos de paisagismo?

Simone: Na escolha das espécies, na pesquisa botânica. Conhecemos algumas plantas que são utilizadas em outras regiões que aqui se desenvolvem bem, porém não podemos contar com sua florada plena, ou seja, se quisermos usar sua cor, aqui não teremos. O contrário também acontece. Logo, conhecer o comportamento da vegetação em diferentes climas e regiões permite-nos atingir o objetivo proposto no projeto. Nossos projetos têm uma forte influência de Burle Marx, por seu conceito e nossa busca pela sustentabilidade de nossos projetos.

AuE Soluções: Você foi usuária das versões 2002 e 2006 do software AutoLANDSCAPE e agora é usuária da versão 2009. Como o programa lhe auxilia em seu dia-a-dia profissional?

Simone: Além de melhorar a apresentação de nossos projetos, agilizou a formação de nosso Memorial Descritivo. Isto poupa-nos tempo e garante-nos um registro atualizado, após possíveis revisões do cliente.

AuE Soluções: Qual as principais vantagens da versão 2009 do AutoLANDSCAPE?

Simone: Posso assegurar que nosso desempenho hoje é melhor com a versão 2009. Esta corrigiu alguns entraves da anterior e possibilita-nos maior diversidade de plantas e materiais. A memória de cálculo também nos proporciona maior precisão e rapidez na conclusão dos projetos.

AuE Soluções: Dentre os projetos que você realizou, qual deles você destacaria?

Simone: É muito difícil escolher dentre tantas oportunidades. Cito a origem de nosso trabalho, pelo rigor científico que requereu, por se tratar de um projeto de grande porte (650.000 m2), pioneiro e cheio desafios, que envolveram diferentes áreas do conhecimento e excelentes profissionais, o Projeto Paisagístico da Aracruz Celulose - ES. Utilizando a mesma metodologia para áreas industriais de planta química-celulose, destaco também o Projeto Paisagístico da Veracel-BA, onde 90% das espécies utilizadas são nativas, o Condomínio Naturale-ES que também adotou o conceito de sustentabilidade e optou-se por plantas nativas em sua predominância integrando às áreas de lazer aos espaços verdes ajardinados e ao Bosque vizinho existente no local do empreendimento.

Veja alguns projetos realizados pela paisagista como AutoLANDSCAPE

Paisagismo na empresa Aracruz Celulose

Paisagismo na empresa Metron

Paisagismo no edifício Santorini

Paisagismo na empresa Veracel


Compartilhar:


Anterior Próximo

Biblioteca gratuita sobre paisagismo.

Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



1 - Autor: andressa - Data: 28/08/2010 17:05:02

onde faala qual é o programa pra baiixar?



2 - Autor: antonio marçal - Data: 11/08/2010 21:12:15

Bem a sua cara.



3 - Autor: luiz afonso prado - Data: 13/02/2010

em que cidade voce esta estabeleciada comercialmente



4 - Autor: maria martha corrêa de cerqueira - Data: 29/01/2010

adorei, muito bom.abraços Martha




Conversar no Whatsapp +55 (32) 9 9138-8279

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*