Entrevista com a arquiteta Elza Niero

Autor: Adriana Corrêa - Data: 06/01/2006

Muito antes de se formar em arquitetura pela Faculdade Bráz Cubas, em Mogi das Cruzes (São Paulo), Elza Niero* já havia começado a estudar paisagismo. Descobriu o gosto pelo ofício ainda no colegial, quando decidiu se profissionalizar. Se tornou uma especialista no assunto e, hoje, aos 21 anos de carreira, continua se aperfeiçoando. Em 2005, concluiu um mestrado na Universidade de São Paulo (USP), uma das mais bem conceituadas instituições de ensino do país. Em entrevista à Revista Digital AuE Soluções, a arquiteta conta um pouco da sua trajetória e compartilha importantes experiências profissionais com os leitores.


AuE: Conte-nos um pouco da sua trajetória. Como se tornou paisagista?  
Niero: Nasci em Espírito Santo do Pinhal, São Paulo. Lá, havia uma faculdade de agronomia que oferecia cursos de paisagismo. Durante o colegial, fiz os cursos oferecidos pela instituição. Daí surgiu o meu interesse. Já no primeiro semestre da faculdade de arquitetura, consegui um estágio em um escritório de paisagismo. Desde então, não parei mais.


AuE: Como profissional, o que é indispensável em seus projetos?  
Niero: Nos meus projetos, procuro sempre traduzir o que o cliente procura: o seu sonho.


AuE: Costuma seguir tendências no paisagismo? Como imprime o seu estilo pessoal na obra? 
Niero: Não sigo tendências no paisagismo. O meu estilo pessoal eu mesma não sei qual é. Cada projeto é diferente. Depende da situação e do lugar. Porém, acredito que todos temos um traçado próprio que nos individualiza, como se fosse uma impressão digital.


AuE: Considera a tecnologia importante para a sua vida profissional?
Niero: Sim. Acho a tecnologia super importante, sobretudo porque eu vim de uma época em que se desenhava com nanquim. O computador, para mim, é algo muito recente, acho o máximo. Utilizo os softwares AutoLANDSCAPE e PhotoLANDSCAPE na maioria dos meus projetos. O PhotoLANDSCAPE para dar uma visão real em pequenos projetos ou espaços, principalmente para os clientes que não conseguem, ou têm muita dificuldade, em "enxergar" a obra. O AutoLANDSCAPE" para todos os projetos de plantio, sem exceção. Seja pequeno ou grande, não faço mais projeto sem ele. É uma grande ferramenta de trabalho.


AuE: De que maneira o paisagismo pode contribuir para a qualidade de vida das pessoas?   
Niero: O paisagismo melhora a qualidade de vida das pessoas no momento em que traz tranqüilidade, cria recantos agradáveis, perfuma o ambiente com flores naturais, utiliza a água para relaxar e beber. É a utilização de todos os elementos naturais juntos, transformando o espaço e a vida das pessoas. Cada qual com uma função, voltada para o bem estar do indivíduo. Livrando-nos, assim, do caos, da poluição e da loucura do dia-a-dia, melhorando a vida do cidadão e de toda a cidade.

AuE: Como valia o mercado de trabalho atualmente?
Niero: O mercado está mais atento ao trabalho profissional. O paisagismo, hoje, vende imóveis. Um bom projeto atrai muito mais um comprador do que uma simples edificação com dois quartos.

AuE: Qual o principal desafio da profissão?
Niero: A relação com o cliente, nem sempre é fácil. Entrar na cabeça dele, sentir o projeto segundo a sua visão e educá-lo para cuidar bem do jardim ou evitar o acréscimo de algo absurdo, não são tarefas simples.

AuE: Fale sobre o seu último trabalho.   
Niero: O meu último trabalho foi um projeto muito grande, porém muito satisfatório. Fizemos (a equipe) o paisagismo de  uma fábrica no interior de Minas Gerais. Foi interessante porque a fábrica é uma multinacional. Conseguimos introduzir muitas espécies nativas, inclusive uma alameda de paus-brasil. Os estrangeiros valorizam muito a nossa vegetação.
As reuniões eram todas em inglês, o que tornou tudo ainda mais divertido. O resultado foi muito bom. Houve pouca interferência. Não sei se é pelo fato de ser um grupo estrangeiro, mas senti que eles respeitaram muito o meu trabalho.

AuE: Dentre os seus projetos, qual deles merece destaque? 
Niero: Fiz um projeto em Alphaville do qual gostei muito. É uma residência pensada para um casal com filhos adultos. A esposa, artista plástica, precisava de um ateliê com bastante tranqüilidade e uma paisagem inspiradora. Pensando nisso, projetamos a cascata que integra com a piscina. Em função do desenho do piso, surgiram os canteiros ao redor da piscina e, aos poucos, a vegetação tropical começou a brotar. O jardim superior é suspenso sobre uma laje.
O projeto de plantio foi todo feito em AutoLANDSCAPE bem no início das minhas atividades com o programa. Eu ainda não havia feito o curso e subestimava grande parte do potencial do programa. Hoje, tiramos muito mais proveito da tecnologia e trabalhamos com mais agilidade e segurança. O resultado são projetos mais "limpos" e homogêneos.


*Elza Niero Paisagismo 
Rua Itamirindiba, 30 - Pinheiros - SP
Telefone: (11) 3813.2067


Compartilhar:


Anterior Próximo

Biblioteca gratuita sobre paisagismo.

Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



---
Entrevista
Dicas Técnicas
Novidades
Carta dos leitores
Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 2 No 19 / Dezembro de 2005

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Jardim de Pedra

Paisagista Osmar da Silva e Paulo Henrique Góes

Lista de Projetos

Lista com Todos os Projetos da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10 de Projetos

Lista com 10 projetos mais comentados

Agenda
Agenda

Agenda de Eventos de Paisagismo

Conversar no Whatsapp +55 (32) 9 9138-8279

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*