A Catharanthus roseus: Uma Aliada Poderosa na Luta Contra o Câncer

Autor: Matheus Augusto P. Leôncio - Data: 30/08/2023

Imagem de Gabriella Turolla.

A Catharanthus roseus, ou "Rosa de Madagascar" e "Vinca rosa", como também é conhecida, é uma dicotiledônia pertencente à família Apocynaceae que é originária da ilha de Madagascar, mas que foi cultivada em diversos países sendo o Brasil um deles. É uma planta perene de caráter ornamental com pequeno porte, apresentando flores róseas e brancas durante o ano inteiro. Ela se encontra na lista de ameaçada de extinção devido a degradação de habitat pela agricultura de corte e queimada. A C. roseus tem grande importância na medicina pela produção de alguns alcalóides indólicos terpênicos, mas dois deles se destacam, a vinblastina e a vincristina, que são muito utilizados em tratamentos contra o câncer.

Ao longo dos anos, na medicina popular, todas as partes da planta (com excessão da raiz que é tóxica) eram utilizadas. Dentre suas utilidades podemos citar seu uso como sudoríficas, diurética, hipoglicemiante, febrífuga e como antileucêmica. Estas indicações que são baseadas na tradição popular não encontram apoio nos atuais estudos já desenvolvidos.
Além de sua beleza ornamental, a Catharanthus roseus é valiosa devido à presença de alcaloides em suas estruturas, que desempenham um papel crucial no tratamento oncológico. Os alcaloides são um grupo de substâncias nitrogenadas, que são geralmente de origem vegetal, amplamente estudados devido às suas ações antineoplásicas (combatem a proliferação desordenada de células no organismo)
Na Catharanthus roseus, existem 2 alcaloides que são destacados no tratamento da leucemia, a vinblastina e a vincristina.

A leucemia é um câncer que se inicia nas células-tronco da medula óssea. Na leucemia as células cancerígenas se multiplicam e consequentemente atrapalham a produção das células saudáveis na medula, diminuindo sua produção. Ela pode ser classificada de acordo com o tipo de célula sanguínea afetada, sendo os glóbulos brancos os principais envolvidos.

As propriedades da Vimblastina foram descobertas por Dr. Robert Laing Noble em 1952. O Dr. Noble recebeu um envelope de seu irmão Dr. Clark, que continha folhas da espécie, que de acordo com Clark, estaria sendo usado para fazer um chá que na ausência de insulina era tomado por diabéticos. Isso levou a uma investigações sobre as folhas da planta e logo descobriram que não afetava o controle de glicose no sangue, mas mostraram potencial na redução de glóbulos brancos, sugerindo uma possível cura para a leucemia. A vincristina foi descoberta anos depois, em 1958 por uma equipe liderada pelo Dr. JG Armstrong e após perceberem sua atividade antineoplásica logo a comercializaram. A vimblastina e a vincristina foram isoladas e aprovadas como agentes anticancerígenos pelo Food and Drug Administration (FDA) em 1961 e 1963, respectivamente.
As medicações consistem em injeções intra-venosas que são produzidas após o processo de isolamento, refinamento e purificação dos componentes da planta. As técnicas utilizadas são a cromotografia e a filtração. Quando a produção a partir da planta não é suficiente para atender aquela demanda, existe a possibilidade de produzir os alcaloides em laboratório, replicando sua estrutura química.

Em comparação com tratamentos convencionais, como a quimioterapia tradicional, a vimblastina e a vincristina tendem a causar menos efeitos colaterais adversos. Isso significa que os pacientes submetidos a esses tratamentos podem experimentar menos sintomas como náuseas, vômitos e outros desconfortos frequentemente associados ao tratamento do câncer.
Outro benefício notável da vimblastina e da vincristina é sua ação seletiva. Durante a mitose (divisão celular), esses medicamentos têm como alvo principalmente as células cancerosas, minimizando os danos às células saudáveis. Isso é uma vantagem significativa em comparação com tratamentos mais agressivos, que podem afetar tanto as células cancerosas quanto as saudáveis, causando mais efeitos colaterais indesejados. Esses alcaloides são frequentemente usados em combinação com outros tratamentos, como a quimioterapia. Isso não apenas aumenta a eficácia do tratamento, mas também permite que os médicos utilizem doses mais baixas de outros medicamentos, o que pode reduzir os riscos e os efeitos colaterais associados à quimioterapia convencional.
Essa redução nos efeitos colaterais pode significar uma maior qualidade de vida para os pacientes durante o tratamento.

Embora o uso de compostos da Rosa de Madagascar seja bastante promissor e útil, existem efeitos adversos graves que podem acompanhar o tratamento com a vincristina, e a gravidade e incidência dos sintomas estão relacionadas à duração do tratamento e as doses recebidas pelos pacientes.
Podemos citar como efeitos colaterais do fármaco a mielossupressão, que é a diminuissão da atividade da medula óssea, interferindo assim na produção de células de defesa, células que transportam o oxigênio pelo sangue e até as que ajudam no processo da coagulação sanguínea.
Entretanto, a sua neurotoxicidade associada à neuropatias (doença que atinge o funcionamento dos nervos periféricos) é o principal fator limitante de seu uso. A mais comum é a neuropatia periférica dos nervos sensoriais e motores que tem como sintomas a dormência, parestesia, redução do equilíbrio, entre outros. Essa neurotoxicidade está associada a dosagem correta do fármaco, necessitando assim da prescrição correta da dose a nível terapêutico.
Além desses dois alcaloides vale ressaltar também a importância da ajmalicina, um vasodilatador e antihipertensivo, também a vindesina, um poderoso antimitótico que é indicado no tratamento da leucemia linfoblástica e alguns tumores sólidos, no tratamento da hiperseborréia temos a utilização da tetraidoalstonina junto a ajmalicina.

Fonte: Guilherme Motta


Até hoje estão sendo realizadas pesquisas mais aprofundados da Catharanthus roseus com o intuito de aproveitar o máximo de seus compostos e de “driblar” esses empecilhos que possam vir atrapalhar o tratamento. Indústrias veem fazendo grande esforço para sintetizar esses alcaloides a fim de centralizar essa produção, mas elas ainda continuam sendo obtidas através do cultivo da planta em vários países tropicais, inclusive o Brasil. Acreditamos que com o desenvolvimento da nanotecnologia e das áreas clínicas a tendencia será uma grande evolução no quadro de medicamentos úteis no tratamento de doenças, diminuindo assim a dificuldade de combatê-las.

Referências:

Valente, Patricia, et al. Vincristina: Perfil Farmacológico. História E Perspectiva. Passado, Presente E Futuro. International Journal of Development Research, 28 June 2022, pp. 57007–57011.

HARRI LORENZI; MATOS, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil : nativas e exo´ticas. Nova Odessa, Sp: Instituto Plantarum De Estudos Da Flora, 2008.

Veja também:

Interação planta X microrganismo: uma parceria de sucesso

Conhecimento Tradicional e Uso de Plantas: a Etnobotânica em Foco


O melhoramento Genético na Produção de Cultivares Vegetais




Compartilhar:


Anterior Próximo

Conceitos Agroecológicos para Jardins Sustentáveis

Comente esta matéria:
Nome:
E-mail:
1 + 0 = ?
Digite o seu comentário sobre a matéria:
Qual a sua avaliação sobre esta matéria ?



1 - Autor: Elbio Rodrigues Barboza - Data: 20/05/2024 20:39:39

de um a deis minha nota é dez



2 - Autor: Mateus - Data: 13/11/2023 20:45:29

Excelente matéria!!


AuE Responde: Muito obrigado Mateus!




Entrevista
A Jornada de Aldecy Gonçalves e a Transformação Digital na Profissão de Paisagista
A Jornada de Aldecy Gonçalves e a Transformação Digital na Profissão de Paisagista

Através da entrevista com Aldecy, uma experiente paisagista de Caruaru, podemos destacar a importância das ferramentas de software.

Botânica
A Catharanthus roseus: Uma Aliada Poderosa na Luta Contra o Câncer
A Catharanthus roseus: Uma Aliada Poderosa na Luta Contra o Câncer

Como a Rosa de Madagascar vem sendo uma aliada no combate ao câncer nas últimas décadas.

Ensino de paisagismo
Demonstrações gratuitas de softwares para Irrigação e Paisagismo em Dezembro
Demonstrações gratuitas de softwares para Irrigação e Paisagismo em Dezembro

Apresentação de programas para realizar projetos de paisagismo e irrigação.

Software em ação: VisualPLAN
Software em ação: VisualPLAN

Veja uma aula gratuita de VisualPLAN, mostrando vários recursos do programa.

AuE Network
Divisores - 2023 - Mezuk corte a laser
Divisores - 2023 - Mezuk corte a laser

Veja a nova coleção de divisores lançada pela AuE Software este mês! Estamos disponibilizando 12 divisores de metal da Mesuk corte a laser!

Divisores - 2023 - Cercas Diversas
Divisores - 2023 - Cercas Diversas

Veja a nova coleção de divisores lançada pela AuE Software este mês! Estamos disponibilizando 15 cercas diversas !

Divisores - 2023 - Painéis em aço corten DeCorten
Divisores - 2023 - Painéis em aço corten DeCorten

Veja a nova coleção de divisores lançada pela AuE Software este mês! Estamos disponibilizando 21 divisores de aço corten da marca DeCorten!

Dicas Técnicas
DataMANAGER 2022: Como adicionar e excluir fotos
DataMANAGER 2022: Como adicionar e excluir fotos

Aprenda a inserir novas fotos para os itens do catálogo e como realizar a exclusão de fotos

DataMANAGER 2022: Como alterar a ordem de exibição das fotos
DataMANAGER 2022: Como alterar a ordem de exibição das fotos

Saiba como mudar a ordem em que as fotos dos itens aparecem no seu catálogo

AutoLANDSCAPE: Cálculo de mudas em áreas e distribuição em canteiros
AutoLANDSCAPE: Cálculo de mudas em áreas e distribuição em canteiros

Cálculo de mudas em áreas e distribuição em canteiros

Novidades
Concurso Internacional VisualPLAN  AuE Software: Segunda Etapa Inicia com Votações do Júri Popular
Concurso Internacional VisualPLAN AuE Software: Segunda Etapa Inicia com Votações do Júri Popular

Estão abertas as votações do Juri popular para o concurso Internacional de VisualPLAN.

VEM AÍ O 24º CONGRESSO BRASILEIRO DE FLORICULTURA E PLANTAS ORNAMENTAIS
VEM AÍ O 24º CONGRESSO BRASILEIRO DE FLORICULTURA E PLANTAS ORNAMENTAIS

Esta chegando o 24 Congresso de Floriculutra e Planta Ornamentais. O evento acontece do dia 20 de Novembro ao dia 23 de Novembro de 2023

Notícias
A importância do Paisagismo para a saúde mental
A importância do Paisagismo para a saúde mental

Nesta matéria, exploraremos em detalhes a importância do paisagismo para a saúde mental.

Evolução do Design de Jardins ao longo dos séculos
Evolução do Design de Jardins ao longo dos séculos

Neste artigo, exploraremos a evolução do design de jardins ao longo da história, destacando marcos importantes e influências que moldaram essa arte.

Paisagismo em Pequenos Espaços: Dicas para Criar belos Jardins
Paisagismo em Pequenos Espaços: Dicas para Criar belos Jardins

Nesta matéria, exploraremos dicas e ideias para paisagismo em pequenos espaços.

Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 20 No 233 / Outubro de 2023

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista AuE Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Agenda
Conversar no Whatsapp +55(32)3217-1501

X

AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!





Revista no seu E-mail

*
*
*
1 + 0 = ? *