A Paisagista portuguesa Maria Rute Costa comenta a aplicação do Paisagismo Produtivo em seu país

Autor: Camila Fonseca - Data: 01/06/2011

Maria Rute Costa

Saber integrar produtividade à beleza em espaços verdes pode ser uma tarefa extremamente aprazível. No Brasil, o termo "Paisagismo Produtivo", apesar de recente, já é utilizado por diversos profissionais e inúmeros cursos de especialização são oferecidos. Contudo, em Portugal esta expressão é pouco reconhecida, mas muito praticada. Sua linha de atuação atinge a produção de alimentos, plantas para uso medicinal, incluindo conceitos sustentáveis, chegando ao uso racional de energia. Para conhecer sobre esse processo em Portugal e seu mercado, a arquiteta paisagista, formada na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Maria Rute Costa, comenta alguns pontos e explica como é possível aliar produção colaborativa ao deleite do belo e harmonioso.

AuE Soluções: O que é paisagismo produtivo e como ele pode ser aplicado nos espaços?

Maria Costa: A designação "paisagismo produtivo" não é comum em Portugal. Porém, é um termo usado no Brasil, associado relativamente à recente necessidade de tornar os espaços desenhados - em particular espaços verdes de enquadramento em meio urbano - em espaços também produtivos. De tal forma, e adaptando a definição ao contexto e à realidade portugueses, definiria paisagismo produtivo como uma forma de aliar o desenho do espaço e da paisagem a questões estéticas, de conservação da natureza e de qualidade ambiental do meio urbano, à produção de bens alimentares, ou outros associados à vegetação.

Alargando o conceito aos diferentes contextos e escalas a que se pode aplicar, o "paisagismo produtivo" pode reflectir-se à grande escala da paisagem agrícola. E, nesse termo, temos em Portugal o exemplo das paisagens minhotas, em que as folhas de cultura de cereal ou hortícolas são bordejadas por culturas de flores e ramadas de vinhas, e as hortas convivem com ramadas de alegretes, integrando na paisagem fortemente agrícola e produtiva, o carácter de lazer e de beleza paisagística.

Temos as paisagens de masseiras no litoral norte do país, ligadas a formação de solos férteis e microclimas propícios a produção de hortícolas adjacentes a dunas de areia. Assim como temos os montados de sobreiro ou de azinheira desenhando extensas paisagens de planícies no sul de Portugal, de terrenos menos acidentados e clima mais seco e quente. E temos o exemplo do Douro vinhateiro, classificado como património mundial, que é uma paisagem ordenada e desenhada que tem a produção de uvas como principal objectivo. Ao olharmos um território há centenas de anos ocupado pelo homem, explorado em torno das suas necessidades e mais ou menos desenhado, damo-nos conta de como o que cultivamos, comemos ou usamos, dá forma às paisagens humanizadas.

Por outro lado, o paisagismo produtivo também reflecte-se a uma escala mais pequena. A permacultura é um sistema de design que dá respostas à questão de como se pode organizar e desenhar um espaço com o melhor aproveitamento dos recursos locais e tendo em contas as necessidades do homem. Neste caso, vemos o paisagismo produtivo aplicado a quinta de alguns hectares, desenhado por zonas relativas a casa, e a interacção dos elementos naturais de um terreno, ao pequeno jardim de moradia, ou a uma simples varanda nas alturas dos apartamentos urbanos.

Assim, podemos ver o paisagismo produtivo, como, por um lado, o resultado de operações culturais no espaço rural, que caracterizam a paisagem desenhada de hoje. E, por outro, a necessidade de incluir nos espaços desenhados, as funcionalidades da vegetação destinada a produção.

AuE Soluções: Como surgiu esta prática entre os profissionais de Portugal?

Maria Costa: A formação dos paisagistas em Portugal têm origem no ramo da Agronomia. As preocupações sobre a estética da paisagem e a qualidade do espaço público urbano levaram que o professor de agronomia Francisco Caldeira Cabral se formasse em Arquitectura Paisagista na Alemanha, na década de 30, e fizesse acontecer em Portugal o ensino da Arquitectura Paisagista.
Este, veio a integrar conhecimentos relacionados com a ecologia, horticultura, desenho, arquitectura, urbanismo e o planeamento do território. A profissão dos paisagistas em Portugal, desenvolvida com o passar das décadas e moldada pelas necessidades dos tempos, foi se aprofundando numa e noutras actividades. Pode-se dizer que as preocupações relativas à produção, aliada ao desenho da paisagem, têm mais visibilidade a partir da década de 70 com os alertas para a conservação da natureza, e em 82 com a definição da Reserva Agrícola Nacional (RAN).
O paisagista em Portugal depara-se, ainda hoje, com a dificuldade de introduzir a consciência ecológica em decisões territoriais que abrangem um leque diversificado de profissionais de diferentes formações e formas de ver o território, além da paisagem e os recursos naturais. É sua convicção a necessidade de integrar a produção nas paisagens respeitando princípios ecológicos e culturais, de se fomentar a agricultura urbana e a multifuncionalidade dos espaços, tanto rurais como urbanos.

Imagem retirada da internet


Imagem ilustrativa

AuE Soluções: De que maneira é feita a seleção de espécies? Quais são os critérios avaliados ao desenvolver o projeto em seu país?

Maria Costa:A selecção de espécies no projecto de um jardim é feita de acordo com as condições ambientais presentes no local e os objectivos esperados para o espaço a desenhar. A nível biofísico, o clima da região - definido em linhas gerais pela temperatura e humidade locais, - é determinante nas possibilidades de escolha. A proximidade ao mar, o tipo de solo, a exposição solar, a morfologia do terreno, a exposição ao vento, são factores que dentro da área do projecto podem ter importância nesta selecção.
Existe actualmente uma tendência a escolher plantas autóctones no sentido de promover a biodiversidade local e o equilíbrio dos ecossistemas. No que diz respeito às variedades destinadas a produção, é desejável a preservação das espécies tradicionais e autóctones também, postas em risco com a globalização da agricultura.

AuE Soluções: Os cuidados a serem tomados são os mesmos de um projeto que utiliza plantas ornamentais?

Maria Costa: Não. Os cuidados a ter com uma cultura, seja ornamental ou produtiva, dependem muito da escala do projecto, do local (condições edafo-climáticas), das plantas e requerem diferentes tipos de implantação e manutenção. As culturas de produção pedirão cuidados acrescidos no que toca aos seus ciclos, colheitas e condições ambientais próprias para consumo.

AuE Soluções: Que resultado é esperado ao implantar um projeto de paisagismo produtivo?

Maria Costa: Um projecto de paisagismo que integra a componente da produção, tem como principal objectivo a multifuncionalidade do espaço a favor da sustentabilidade. Seja em espaço rural ou urbano, o paisagismo produtivo serve a necessidade de protecção do solo e das culturas, de qualidade ambiental da paisagens humanizadas e da produção local que traz soberania alimentar aos povos. Ao mesmo tempo, fomenta a coesão social, e a independência económica, permitindo fontes alimentares locais e redes de trocas e comercialização locais.
Para além dos aspectos ambientais, sociais e económicos que possam estar associados, sinto que o paisagismo produtivo, na sua essência, está ligado a um movimento de voltar à terra, voltar às nossas raízes como seres humanos, inter-actores da natureza. Instalado um sistema de produção em que o nosso alimento vem muitas vezes de não sabemos bem aonde nem como - em particular em meios urbanos - chama a necessidade de nos religarmos à fonte: a própria terra. Propondo a produção no nosso quintal, à porta de casa, em comunidades urbanas ou rurais, esta actividade está a abrir oportunidades para essa integração, a meu ver, parte da nossa evolução como sociedade.

Imagem retirada da internet


Imagem Ilustrativa

AuE Soluções: Pode haver heterogeneidade de espécies em um só local?

Maria Costa:Com certeza. A produção de plantas de diferentes espécies num mesmo local é recomendada. Seja ao nível temporal, a rotação de culturas - em que uma cultura ocupa o terreno numa parte do ano, substituída por outra cultura (exemplo do milho e do azevém, em que o cereal é substituído pela planta forrageira) - contribuindo para a manutenção do solo e seus nutrientes. Seja o caso das consociações de plantas muito usadas na agricultura biológica e na permacultura, em que diferentes espécies podem ocupar diferentes estratos vegetais e diferentes camadas do solo. Nesses casos, as melhorias no combate às pragas e a infestantes, a competição entre as plantas, ou a complementaridade de consumo e de troca de nutrientes são factores que podem beneficiar as duas ou mais culturas presentes.

AuE Soluções: Em Portugal existe algum curso de especialização para o profissional que tem interesse em seguir nessa área?

Maria Costa: Tal como foi dito na primeira questão, a designação "paisagismo produtivo" não é comum em Portugal e não se encontra esse termo relativo a alguma formação profissional, pelo menos a nível académico. As áreas que mais se aproximam aos temas abordados durante o questionário são a Arquitectura Paisagista e a Engenharia Agronómica.
A primeira formação, embora aprofunde questões de paisagismo e conteúdos da ecologia, está tecnicamente mais focada em espécies ornamentais e ecossistemas naturais destinados ao desenho do espaço público e às paisagens de preservação da natureza. Também trabalha a larga escala do território e as políticas que desenham paisagem, nomeadamente a política agrícola. A disciplina de agricultura está presente na licenciatura e os temas relacionados ao "paisagismo produtivo" têm ocupado as discussões sobre desenho do espaço público, nomeadamente face à crise do contexto actual ambiental e de produção e comercialização de alimentos.
O curso de Agronomia estará muito mais vocacionado para questões técnicas e da ecologia de ambientes de produção de bens alimentares e outros ligados à floresta e aos animais, mas não aprofunda o paisagismo como exercício de desenho da paisagem.

AuE Soluções: Onde esses profissionais podem atuar?

Maria Costa: O arquitecto paisagista pode actuar em variadíssimos tipos e escalas de projecto. Seja em meio rural, urbano, periurbano. Sejam projectos de pequena escala como o espaço público de proximidade, ou o desenho de jardins públicos ou privados, média escala, como projectos de urbanismo, sejam de larga escala como é o ordenamento do território, por sua vez de natureza estratégica. Também em projectos de concepção de espaço ou de recuperação da paisagem. Em qualquer dos casos, o arquitecto paisagista procura servir objectivos de sustentabilidade, actuando com preocupações ambientais, sociais e económicas ao nível do espaço, do território e da paisagem.


Compartilhar:


Anterior Próximo

eBook: Planta baixa técnica x Planta humanizada em paisagismo

Comente esta matéria:
Nome:
E-mail:
4 + 2 = ?
Digite o seu comentário sobre a matéria:
Qual a sua avaliação sobre esta matéria ?



1 - Autor: Jorge Barbosa - Data: 18/02/2012 15:46:07

Parabéns AuE e Rute :P... esta matéria é muito debatida em Portugal... um dos seus grandes defensores é o Arq. Paisagista Ribeiro Telles... ele defende a importância da Agricultura na cidade...As cidades não podem ser só centros de consumo...elas também têm de ser produtivas...As cidades portuguesas têm apostado na criação de hortas urbanas e de Agroparques (espaço verde recreativo com cariz produtivo, onde se combinam plantas ornamentais com plantas produtivas) ... relativamente ao uso de químicos, aposta-se em técnicas da agricultura sustentável e da permacultura...



2 - Autor: Val Fernandes - Data: 22/06/2011 21:51:03

È perfeita a matéria. sou estudante de arquitetura, em Salvador/ba, aqui as pessoas nao tem o costume de plantar hortas nos quintais, os que seria maravillhoso, como vc colocou, uma forma das pessoas se socializarem, a troca, enfim uma forma de economia tambem, gostei muito e gostaria de me aprofundar no assunto, obrigado



3 - Autor: Douglas Poerner - Data: 20/06/2011 21:40:09

Excelente Matéria! Abordagem feita de forma esclarecedora!!! Parabéns a autora!!



4 - Autor: Davi Calheiros - Data: 20/06/2011 21:20:15

Ótima matéria! Um importante assunto, abordado de forma excelente! Parabéns a autora e a Maria Costa.



5 - Autor: Giulliana de Souza - Data: 20/06/2011 14:23:33

Parabéns pela matéria AuE!!! Tomara que muito em breve tenhamos no Brasil o paisagismo produtivo espalhado pelas cidades, será maravilhoso!



6 - Autor: Lody Ribeiro - Data: 15/06/2011 11:02:08



Parabéns Maria e AUE ! É certamente um tema de grande interesse actual. Penso que nesta área as novas gerações e consciências em Portugal, prometem... Com a partilha de conhecimentos e uma alargada recolha de experiências nomeadamente em outros países, como, por exemplo: Japão, China, Israel e quem sabe, talvez o Brasil; poderemos chegar mais longe, fazer mais e melhor.



7 - Autor: Samuel Teixeira - Data: 14/06/2011 08:18:44

Gostei da matéria. Mas começo a ficar preocupado com os enumeras nomenclaturas que estão aparecer todos os dias, pode ser contra preducente tantos nomes e conceitos, pode tornar-se confuso para os consumidores e criar desconfiança entre as pessoas que não estão informadas sobre estas temáticas, para mim e no futuro económico mundial e na preocupação mundial deveria estar no cerne da questão o papel do Paisagismo na recuperação de ecossistemas, também no equílibrio entre a necessidade alimentar mundial com o crecimento demográfico mundial e no uso de químicos na agricultura com a preservação dos ecossistemas.



8 - Autor: Rose Paisagismo - Data: 10/06/2011 11:39:59

Estive em portugal em janeiro deste ano especificamente em coimbra passeando por lá vi e pude perceber o que Maria Rute falou sobre paisagimo produtivo fiquei encantada com os jardins na frente das casas , e na calcada da cidade com pés de laranja carregados, muito interessante .Parabenizo a AUE por esta reportam.



9 - Autor: Ana Maria Decnop Coelho - Data: 08/06/2011 18:20:37

Muito boa matéria, sobre um assunto muito importante para ser utilizado hoje.




Entrevista
A Paisagista portuguesa Maria Rute Costa comenta a aplicação do Paisagismo Produtivo em seu país
A Paisagista portuguesa Maria Rute Costa comenta a aplicação do Paisagismo Produtivo em seu país

Descubra de que forma os profissionais de áreas verdes realizam o paisagismo produtivo em Portugal

AuE Soluções entrevista Presidente da ANP, Eliana Azevedo
AuE Soluções entrevista Presidente da ANP, Eliana Azevedo

Saiba qual é a importância do Concurso Nacional de Paisagismo Urbano

AuE Network
Brinde de aniversário: Baixe novas plantas no AuE Network e consulte no Paisagismo Digital

Artigo apresenta as novas plantas publicadas em junho de 2011

Dicas Técnicas
HydroLANDSCAPE: Irrigação passo-a-passo parte 7 - Detalhando o projeto
HydroLANDSCAPE: Irrigação passo-a-passo parte 7 - Detalhando o projeto

Veja neste artigo como detalhar um projeto de irrigação com o HydroLANDSCAPE

AutoLANDSCAPE: Dicas avançadas de configuração do sistema
AutoLANDSCAPE: Dicas avançadas de configuração do sistema

Esta materia mostra o botão Configurações do sistema e explica detalhes de alguas opções pouco conhecidas pelos usuários.

PhotoLANDSCAPE: Por que não quantifica ou insere plantas através da medida?
PhotoLANDSCAPE: Por que não quantifica ou insere plantas através da medida?

Veja nesta matéria como utilizar pontos de referencia para encontrar o tamanho dos itens na fotomontagem.

Novidades
Lançamento do livro: Jardim da Luz - Um museu a céu aberto
Lançamento do livro: Jardim da Luz - Um museu a céu aberto

Conheça a obra que reúne documentos e depoimentos sobre o Jardimd a Luz, em São Paulo.

Primeira escola brasileira a ganhar o certificado sustentável é do Rio de Janeiro
Primeira escola brasileira a ganhar o certificado sustentável é do Rio de Janeiro

A primeira escola do Brasil a ganhar certificado sustentável de carioca

Notícias
Curso de gestão sustentável de espaços verdes na APAP

APAP oferece curso para gerir espaços verdes com sustentabilidade.

Em Portugal: Workshop Extração de Óleos Essenciais

Adquira conhecimento práticos e teóricos sobre as potencialidades dos óleos essenciais.

Exposição "Somos Terra" teve início junto da virada sustentável em SP

Exopsição interativa mostra a formação do nosso planeta.

Soluções arquitetônicas ecológicas é tema da exposição "Razão e Ambiente"
Soluções arquitetônicas ecológicas é tema da exposição "Razão e Ambiente"

Evento expõe obras de arquitetos modernos sobre arquitetura ecológica

Parabéns revista AuE Paisagismo, por 8 anos de sucesso!
Parabéns revista AuE Paisagismo, por 8 anos de sucesso!

Junho é a revista AuE Paisagismo comemora 8 anos de existência.

Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 7 No 84 / Maio de 2011

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista AuE Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Agenda
Conversar no Whatsapp +55(32)3217-1501

X

AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*