O outono e as plantas cultivadas

Autor: Marinês Eiterer - Bióloga - Data: 08/06/2006

Em nosso país, as mudanças de estação são mais ou menos sutis, embora possam variar de acordo com a região. Estamos no outono, que vai de fins de março a fins de junho, e aqui no Sudeste as manhãs e as noites estão progressivamente mais frias. À medida que o outono avança, as horas de luz diminuem e a temperatura do ar cai. Em relação à estação anterior (verão), as chuvas são menos freqüentes e a umidade relativa do ar também diminui. A sucessão de estações ao longo do ano é em última análise conseqüência da inclinação do eixo de rotação da Terra e do movimento de translação que o nosso planeta executa em torno do Sol.

A despeito da época do ano, a água da chuva dissolve os nutrientes que encontra pelo caminho à medida que infiltra no solo. Como a viscosidade da água diminui com a temperatura, quanto mais fria estiver a água, mais lentamente ela será absorvida pelas raízes das plantas. À medida que a absorção de água pelas raízes diminui, diminui também a captura de nutrientes dissolvidos. Com isso, o crescimento da planta torna-se gradativamente mais lento, podendo até ser interrompido. Não é de estranhar, portanto, que o crescimento da vegetação em nossa região seja mínimo no inverno (fins de junho a fins de setembro) e máximo no verão (fins de dezembro a fins de março).

Para quem tem plantas em casa, o ideal seria conhecer as necessidades fisiológicas e nutricionais de cada uma das espécies cultivadas. Não sendo isso possível, como muitas vezes não é, podemos então adotar alguns procedimentos gerais. Por exemplo, no outono, devemos reduzir gradativamente as regas e a adição de nutrientes (adubação) no solo, até chegarmos a quantidades mínimas (ou nulas) durante o inverno, quando muitas plantas interrompem (parcial ou inteiramente) suas atividades, entrando em um estado de repouso.

Como no inverno a evaporação diminui e as plantas têm mais dificuldade de absorver as moléculas de água, pode haver um certo acúmulo de água no solo, notadamente em suas camadas mais superficiais. É por isso que nessa época do ano regas em excesso facilmente encharcam o solo, o que impede a respiração e eventualmente mata as raízes por afogamento. Nessas circunstâncias, a murcha das folhas pode ser um sinal de que há muita água no solo, e não o contrário. A adubação também deve ser interrompida, pois o acúmulo excessivo de minerais altera a química do solo, prejudicando o bem-estar das plantas.

Desfrute as belezas que o outono oferece. Para isso, no entanto, muitas vezes devemos adotar medidas que contrariam o senso comum. Como regra geral, vale o lembrete: evite "cuidados" excessivos e inadequados, que no fim das contas podem ser bastante prejudiciais à vida das plantas.


Compartilhar:


Anterior Próximo


Comentar
Nome:
E-mail:
Comentário:
Avalie está matéria:



1 - Autor: joao vitor - Data: 05/06/2013 11:59:15

Nao foi : tao util mas tudo bem ! Ps: grato pela tentativa de ajuda




Entrevista
Botânica
Dicas Técnicas
Novidades
Notícias
Carta dos leitores
Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Paisagismo Ano 2 No 24 / Maio de 2006

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Lista de Projetos

Lista com Todos os Projetos da Revista Paisagismo Digit@l

Top 10 de Projetos

Lista com 10 projetos mais comentados

Agenda
Agenda

Agenda de Eventos de Paisagismo

Conversar no Whatsapp +55 (32) 9 9138-8279

X

Revista gratuita AuE Paisagismo


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo do paisagismo? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*